[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
Lançamento em breve do livro "Catalisando a Economia Circular"!
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Cosan e Sumitomo em JV para produção de pellet de biomassa

A Cosan, uma das maiores empresas de energia e infraestrutura do Brasil, e Sumitomo Corporation, um dos maiores grupos econômicos do Japão, firmam parceria em joint venture para produzir e comercializar pellets de biomassa.  A Cosan terá 80% da JV e a Sumitomo 20%. A empresa, denominada Cosan Biomassa, possui uma planta comercial em operação desde 2015 em Jaú-SP, com capacidade de produção de 175 mil toneladas de pellets por ano. A empresa pretende exportar pellets para uma grande geradora de energia europeia ainda neste ano. A perspectiva é expandir a produção para 2 milhões de toneladas até 2025, para atender a demanda potencial deste produto.

A tecnologia foi desenvolvida pela Cosan e utiliza resíduos de cana-de-açúcar, como palha e bagaço, maior recurso de biomassa não explorado do mundo. A FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos) apoia o negócio com um financiamento reembolsável a juros subsidiados desde o início do projeto em 2010 e até agora desembolsou cerca de R$170 milhões.  O projeto inclui criar um mercado de longo prazo para os resíduos da cana. O pellet de biomassa de cana deve substituir as matérias-primas predominantes, como carvão mineral, o gás natural e óleo combustível.

Estima-se que a demanda mundial por pellets de biomassa aumente 60% em 5 anos, atingindo aproximadamente 40 milhões de toneladas. Europa, Japão e Coreia do Sul são possíveis mercados, pois hoje cerca de 30% de sua energia é proveniente do carvão mineral. Segundo a Sumitomo Corporation, o Japão importará entre 10 a 20 milhões de toneladas de pellets de biomassa até 2030, demanda que será atendida principalmente pela biomassa de cana. O governo americano estuda possibilidade de utilizar biomassa para reduzir sua dependência no carvão mineral; se apenas 5% do carvão for substituído por biomassa serão necessários 28 milhões de toneladas adicionais por ano para atender tal demanda.  No Brasil, grandes indústrias já demonstraram interesse, pois o pellet de biomassa tem custo mais competitivo quando comparado ao gás e ao óleo utilizados hoje.

Cosan Biomassa firmou contrato de 10 anos com a Raízen, que possui unidade vizinha à planta da Cosan Biomassa, para fornecimento da biomassa. Um dos principais desafios da empresa ainda é recolher a palha da cana no campo a custo competitivo, mas nos próximos 5 anos a empresa estima uma redução nos custos de 20% a 30%. Segundo a empresa, o Brasil possui potencial para produção de cerca de 80 milhões de toneladas de pellets, montante equivalente a 3x o mercado mundial de biomassa peletizada. Assim, os mercados de cogeração de energia e pellet devem ser complementares, pois existe resíduo de sobra no Brasil.

Fonte: MAXIQUIM

REDES SOCIAIS_