[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Natura investe em uso de PET reciclado

A Natura, empresa brasileira de cosméticos e perfumaria, tem investido em embalagens feitas 100% de PET reciclado pós-consumo. Apenas em 2016 foram mais de 240 toneladas de material reaproveitado, representando quase 5,2 milhões de garrafas PET que deixaram de ser descartadas. Ao todo, cerca de 20% das embalagens da companhia são feitas com mais de 50% de plástico reciclado ou de origem renovável. A empresa tem apostado em linhas ambientalmente responsáveis, como a Ekos, que apela para a conexão da marca com o meio-ambiente. Além do plástico, a empresa também está investindo na produção de embalagens feitas com vidro reciclado.

 

Seguindo esta estratégia, a Natura procura aumentar a utilização do chamado Polietileno Verde, que é feito a partir de cana de açúcar, e busca informar aos seus consumidores sobre as reduções do impacto no momento em que adquirem produtos pelo site. Esta postura de consciência ecológica contribuiu para manter as vendas da empresa estáveis durante a crise em 2016, apesar de que os lucros no ano caíram mais de 40% no período.

 

Impactos sociais também têm sido positivos, apesar de mais difíceis de mensurar. A utilização de materiais pós-consumo para as embalagens, segundo a empresa, acaba movimentando todos os setores da reciclagem, auxiliando especialmente as cooperativas de catadores, com as quais a empresa mantém alguns projetos em parceria para viabilizar e melhorar a cadeia de reciclagem.

 

Fonte: Maxiquim

REDES SOCIAIS_