[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

MCTI terá R$ 9,5 bilhões para orçamento de 2014

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) terá um orçamento de R$ 9,5 bilhões em 2014, mas com os R$ 120 milhões colocados na reserva de contingência, a pasta se manterá próxima do patamar orçamentário do ano passado, que ficou em R$ 9,4 bilhões. Para o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico a previsão é de R$ 3,4 bilhões. A sanção da presidente Dilma Rousseff à lei orçamentária, sem vetos, foi publicada na edição de 21 de janeiro do Diário Oficial da União.

O programa Ciência, Tecnologia e Inovação é que receberá o maior volume de recursos (R$ 5,3 bilhões). Para o programa de subvenção econômica, o governo destinou R$ 266,1 milhões em 2014. A subvenção para remunerar a contratação de pesquisadores tem R$ 3 milhões em recursos, e R$ 209 milhões ficaram reservados para a equalização de taxa de juros em operações de financiamento. Mais R$ 1 milhão está destinado para Incentivo ao Investimento em Ciência e Tecnologia pela Implementação de Instrumentos de Garantia de Liquidez. Outros R$ 50,3 milhões foram colocados na rubrica Operações Especiais – Investimento em Empresas Inovadoras.

Apesar da mudança na legislação do setor de petróleo, foi mantida a rubrica do CT-Petro. Os recursos dos fundos setoriais, que são direcionados ao FNDCT, ficaram assim divididos:

– Fomento a Pesquisa e Desenvolvimento em Áreas Básicas e Estratégicas – R$ 674 milhões;

– CT-Infra – R$ 305 milhões;

– CT-Verde Amarelo – R$ 130 milhões;

– CT-Mineral – R$ 8,5 milhões;

– INOVAR-AUTO – R$ 49,1 milhões;

– CT-Energ – R$ 78,5 milhões;

– CT-Transporte (transportes terrestres e hidroviários) – R$ 451 mil;

– CT-Hidro – R$ 31,3 milhões;

– CT-Espacial – R$ 3,4 milhões;

– CT-Saúde – R$ 89,5 milhões;

– CT-Biotecnologia – R$ 40,6 milhões;

– CT-Agronegócio – R$ 81,3 milhões;

– CT-Aeronáutico – R$ 39 milhões;

– CT-Petro – R$ 142,6 milhões;

– CT-Info – R$ 35.4 milhões;

– CT-Aquaviário (Transporte Aquaviário e de Construção Naval) – R$ 25,8 milhões.

Fonte: www.anpei.org.br

REDES SOCIAIS_