[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Refino chinês mostra sinais de recuperação

A China, um dos maiores consumidores mundiais de combustível para transporte, sofreu um declínio acentuado na demanda doméstica de combustível, forçando algumas refinarias estatais a fazer cortes profundos na produção. No entanto, a China parece ter passado pelo ponto mais baixo do impacto causado pelo Covid-19, e vem demonstrando sinais de atividade comercial retornando lentamente à normalidade, segundo a GlobalData.

A China Petrochemical Corp (Sinopec), a maior refinaria do mundo em capacidade, propôs cortes de produção em resposta à queda na demanda de combustível. Ainda assim, está se esforçando para aumentar sua capacidade, já que o governo chinês busca uma recuperação no crescimento econômico, revogando restrições de viagens e outras medidas.

A China National Petroleum Corp, segundo maior refinador daquele país, também adotou a rota defensiva de operar com capacidade reduzida para minimizar o impacto do Covid-19, mas deve aumentará sua produção em abril de 2020, à medida que as empresas retomarem as operações, o que pode levar a uma melhora gradual da demanda de combustível na China.

Enquanto em fevereiro de 2020, as operações nos principais portos de Xangai e Shenzen foram prejudicadas pela pandemia e forçou importadores de petróleo como a PetroChina e a CNOOC a recusar entregas de petróleo do Brasil e da África Ocidental, a postura hoje seria diferente – segundo a GlobalData, as empresas de refino da China provavelmente não recusarão mais entregas, ainda que possa ser uma tarefa difícil para as refinarias do país recuperar o terreno perdido, dada a escala do impacto.

REDES SOCIAIS_