[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Copenor anuncia fim da produção nacional de metanol

A Companhia Petroquímica do Nordeste (Copenor) anunciou ontem que não vai mais produzir metanol no polo petroquímico de Camaçari (BA). A empresa é a única produtora da commoditie utilizada como solvente em diversos processos industriais, e agora toda a demanda de cerca de 1 milhão de toneladas por ano do produto será obtida apenas por importação. No ano passado as importações somaram 288 milhões de dólares e a Copenor produziu apenas 73,5 mil toneladas.

Atualmente a Copenor, controlada pela Metanol do Nordeste (Metanor), manterá sua produção de formaldeído e hexamina. Com receita liquida de R$ 210 milhões em 2015, um valor 14% maior que em 2014, o lucro líquido caiu 9% (29,3 milhões de reais) pressionado pelo aumento de 25% dos gastos com matérias primas como o metanol, cerca de R$ 154,5 milhões.

A Copenor justifica o fim da produção baseada na ausência de políticas que favoreçam um preço de gás viável que suporte a atividade com uma rentabilidade mínima. Já presidência da Associação brasileira da indústria química (Abiquim) vê a paralização como algo negativo mas esperado dada a atual conjuntura dos preços das matérias primas que vêm inviabilizando cada vez mais processos químicos desse tipo.

O preço de gás natural nos EUA custa U$S 1,07 por milhão de BTU, no Brasil, as petroquímicas desembolsam U$S 8,30 pela mesma quantidade (incluindo a margem de U$S 2,50 por milhão de BTU das distribuidoras).

Fonte: MaxiQuim

REDES SOCIAIS_