[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Complexo de Suape e Citepe têm prejuízo de R$ 2,5 bi

A Petroquímica Suape, instalada no complexo de mesmo nome, apresentou nesta quinta-feira seu balanço de 2016, em que é demonstrado um prejuízo de 1,4 bilhão de reais referente ao período. O valor representa um déficit 73% maior do que o apresentado no ano anterior. Controlada pela Petrobras, este resultado vem corroborar com a decisão da estatal de vender o complexo o mais rápido possível. São quase 450 milhões de reais em dívidas a serem pagas apenas em 2017, sendo pouco menos de 370 milhões em empréstimos e financiamentos.

 

Quando considerados os resultados da Citepe, também sob controle da Petrobras, o prejuízo somado é de R$ 2,5 bilhões. As receitas tiveram um crescimento médio de 20%, mas o aumento mostrou-se insuficiente para compensar as baixas contábeis relacionadas à incapacidade de recuperar os investimentos, uma vez que o mercado nacional não se mostra apto a absorver a produção projetada de ambas as unidades. Nos últimos 10 anos, são R$ 9,5 bilhões de prejuízo acumulado.

 

A Petrobras segue aguardando o parecer positivo do CADE, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica, para concluir a venda do complexo para a mexicana Alpek, por cerca de 1,2 bilhões de reais.

 

Fonte: Maxiquim

REDES SOCIAIS_