[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Brasil lidera lista de países com alto custo de energia para indústria

O vice-presidente do Sistema Firjan, Carlos Mariani, afirmou nesta sexta-feira que o Brasil passou a ocupar este ano o topo do ranking dos países de maior custo da energia para a indústria. Segundo ele, que participa de evento sobre energia, no Rio de Janeiro, apenas neste ano, as tarifas de energia já acumulam alta de 48%.

De acordo com estudo apresentado em evento hoje no Rio de Janeiro, o custo da energia para a indústria brasileira subiu para R$ 534,28 por megawatt-hora (MWh), uma alta de 102% em relação ao início de 2013, quando houve a redução das tarifas de energia pela Medida Provisória 579/2012. Com isso, o Brasil ultrapassou Índia e Itália e assumiu a ponta do ranking internacional, que contempla 28 países.

Ao contrário da alta observada de 48% no custo da energia nos três primeiros meses do ano, a Firjan destacou que o custo internacional caiu em média 6%.

Fonte: Valor Econômico – Rodrigo Polito

 

REDES SOCIAIS_