[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
Lançamento em breve do livro "Catalisando a Economia Circular"!
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Usinas certificadas no RenovaBio podem gerar 221 mil CBios em fevereiro

A seis empresas do setor sucroenergético que já detém o Certificado de Produção Eficiente de Biocombustíveis emitido pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) têm o potencial de ofertar no mercado 221 mil Créditos de Descarbonização (CBios) ao mês, a partir de fevereiro.

Os cálculos, realizados pela equipe técnica da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), levam em conta a curva de comercialização de etanol carburante (anidro e hidratado) dessas empresas e as notas de eficiência energética conquistadas por cada uma das unidades certificadas – Usina Boa Vista, em Quirinópolis (GO); Vale do Paraná, em Suzanápolis (SP); Da Mata, em Valparaíso (SP); Cerradinho Bioenergia, em Chapadão do Céu (GO); Conquista do Pontal, em Mirante do Paranapanema (SP) e a unidade Barra Grande, em Lençóis Paulista (SP).

Ao longo de 2019, as seis unidades certificadas comercializaram 1,78 bilhão de litros de etanol carburante. Portanto, com base na data de aprovação do processo de certificação e nas vendas do ano anterior, essas unidades estariam aptas a emitir 2,23 milhões de CBios em 2020, o que equivale a mitigação da emissão de 2,23 milhões de toneladas de CO2 na atmosfera.

“As seis empresas credenciadas teriam condições de atender 7,5% da meta global de CBios de 2020, estabelecida na resolução do Conselho Nacional de Política Energética. A meta de 2020 é de 29,1 milhões de CBios para o ano de 2020, evitando a emissão de 29,1 milhões de toneladas de CO2 na atmosfera”, esclarece o diretor técnico da Única, Antonio de Padua Rodrigues.

Após a conclusão da certificação pela ANP, a empresa tem que firmar um contrato com o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) para poder enviar suas notas fiscais de venda de etanol carburante e obter o direito de emissão de CBios para o volume comercializado.

A São Martinho, que já detém um contrato com o Serpro, confirmou a emissão de 15 mil “pré-CBios”, referentes às vendas realizadas entre os dias 24 e 31 de dezembro, que aguardam a escrituração por parte de uma instituição financeira e a disponibilização do ambiente de comercialização pela B3. Os pré-CBios garantem o direito de emissão dos títulos, uma vez que o produtor tem 60 dias para registrar as notas fiscais no sistema.

O Certificado da Produção Eficiente de Biocombustíveis é emitido por firma inspetora credenciada no RenovaBio como resultado do processo de certificação de biocombustíveis, aprovado pela ANP. A partir da nota de eficiência energética é determinado o volume de etanol necessário para evitar a emissão de uma tonelada de dióxido de carbono na atmosfera. O Certificado da Produção Eficiente de Biocombustíveis tem validade de três anos.

REDES SOCIAIS_