[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
Lançamento em breve do livro "Catalisando a Economia Circular"!
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Cana-de-açúcar geneticamente modificada pode produzir mais biodiesel que a soja

Com resultados positivos, estudos sobre cana-óleo avançam. Departamento de Energia dos Estados Unidos financiou nova pesquisa para produção da nova cana

A cana-de-açúcar é valiosa para a produção de açúcar, etanol e eletricidade, e o aproveitamento total da planta é benéfico não só para as usinas como também para o meio ambiente. Mas, e se uma modificação genética resultasse em uma variação que pode produzir biodiesel? É isso que a equipe do projeto norte-americano Rogue (sigla para Óleo Renovável Gerado com Cana-energia Ultraprodutora, em tradução livre) está se dedicando a criar: a cana-óleo.

Os primeiros estudos com a cana-óleo duraram cinco anos (entre 2012 e 2017) e conseguiram resultados que apontam para uma mudança na forma de olhar a cana-de-açúcar. O dinheiro que manteve o projeto durante este tempo veio da Agência de Projetos Avançados de Pesquisa – Energia (ARPA-E) do Departamento de Energia dos Estados Unidos (DOE).

Em 2012, a equipe de pesquisadores se lançou no desfio de produzir, por meio de cruzamentos genéticos, uma variação da cana-de-açúcar que acumulasse óleo, fosse menos suscetível a temperaturas baixas e tivesse maior eficiência fotossintética.

O aumento da eficiência fotossintética da cana-de-açúcar pode garantir que a produção do óleo não diminua o rendimento da cultura e nem reduza as defesas da planta em geral. Já o aumento da sua tolerância ao frio expande a possibilidade de áreas de plantação e amplia o tempo do cultivo.

As três características foram alcançadas. O resultado mais importante foi a obtenção de 8% de acúmulo de óleo no caule, que, de acordo com testes e estimativas, já é 4,5 vezes mais rentável do que o grão de soja na produção de biodiesel e, ainda, duas vezes mais rentável do que o milho na produção de etanol.

Com estes dados em mãos, em fevereiro de 2018, o DOE concedeu mais US$ 10,6 milhões para a Universidade de Illinois, berço do Rogue, incentivando a continuidade dos estudos na área para alcançar novos resultados – e planejar uma aplicação.

Leia o artigo completo em www.novacana.com.

REDES SOCIAIS_