[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
Agricultura Regenerativa: uma perspectiva de modelo de negócio circular
DIRETO DO BLOG
Lançamento em breve do livro "Catalisando a Economia Circular"!
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Fundo americano adquire ações de bancos e se torna controlador da Atvos, da Odebrecht

O fundo americano Lone Star anunciou nesta segunda-feira (4) que assinou contrato de compra e venda de ações com o banco Natixis e se tornou controladora da Atvos Agroindustrial, empresa de açúcar e álcool do grupo Odebrecht, que está em recuperação judicial.

Na petição, ajuizada hoje na 1ª Vara de Falências e Recuperação Judicial de São Paulo, o fundo afirma “estar pronto e organizado para assumir já a gestão e condução dos negócios da Atvos”.

A Odebrecht foi notificada a entregar formalmente as ações adquiridas, segundo uma fonte ouvida pelo Estado. Se a empresa entregar os papéis, o Lone Star assume imediatamente.

Porém, pode haver resistência e questionamentos por parte do grupo baiano, que não quis comentar o assunto. Segundo um executivo próximo da empresa, a medida adotada pelo fundo antes da reestruturação é uma atitude agressiva.

Com uma dívida de quase R$ 12 bilhões, a Atvos entrou em recuperação judicial maio do ano passado. A empresa foi a primeira do grupo Odebrecht a recorrer à proteção da Justiça para renegociar seus débitos. Na época, a empresa afirmou que a recuperação judicial era “resultado da investida hostil de um fundo internacional, que por meio de processo judicial colocou em risco as operações da empresa”.

O grupo se referia ao fundo Lone Star, que tinha cerca de R$ 1 bilhão em créditos a receber, sendo o terceiro maior credor da Atvos. Na ocasião, a Atvos atrasou o pagamento para o fundo americano, que entrou na Justiça e conseguiu a penhora de parte importante da produção de cana da Atvos.

Assembleia de credores
De lá para cá, as divergências continuaram até o fundo conseguir comprar as ações dos bancos que detinham garantias da empresa. Agora começa um novo capítulo nessa disputa. A assembleia para aprovação do plano de recuperação da Atvos – segunda maior produtora de etanol do País – está marcada para sexta-feira (8), e, por ora, está mantida.

Mas o Estado apurou que um novo plano deverá ser apresentado pelo Lone Star para ser discutido com os credores. O objetivo é colocar dinheiro novo na Atvos para que ela consiga continuar operando, especialmente neste momento em que foi afetada pela crise do coronavírus.

“O grupo Lone Star Funds tem ciência da atual situação financeira das companhias que agora controla e entende a necessidade de aportes de recursos financeiros no curto prazo, comprometendo-se a realizar aportes, obter financiamentos ou de qualquer outra forma de estabilizar o caixa das companhias no curto, médio e longo prazos”, diz a empresa, na petição ao juiz feita pelo escritório Thomaz Bastos, Waisberg e Kurzweil.

O valor do aporte não foi informado, mas pode ficar em torno dos R$ 300 milhões que já vinham sendo cogitados no mercado. A expectativa é que os recursos saiam dos cofres do Lone Star. No mundo, o grupo detém US$ 40 bilhões em ativos sob gestão.

Assim que assumir o controle da empresa, o fundo pretende mudar toda a diretoria e também os advogados que estão conduzindo a recuperação judicial da Atvos. Procurado, o Lone Star não quis comentar o assunto.

Além do fundo americano, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Banco do Brasil são os maiores credores da Atvos. Os dois bancos públicos detêm 66% do total da dívida.

Renée Pereira

REDES SOCIAIS_