[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
Lançamento em breve do livro "Catalisando a Economia Circular"!
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Chinesa Sinopec anuncia início de prospecções no Brasil

A petrolífera chinesa Sinopec, uma das maiores do setor no país asiático, anunciou o começo das prospecções na jazida Pão de Açúcar, recentemente descoberta e que a companhia opera junto à espanhola Repsol.

O poço, situado na Bacia de Campos, terá uma produção diária de cinco mil barris de petróleo e 810 mil metros cúbicos de gás, detalhou a firma chinesa.

A sociedade conjunta Repsol Sinopec Brasil destacou anteriormente que se trata de uma das maiores reservas de hidrocarbonetos no país, a 500 metros de profundidade.

A Repsol Sinopec Brasil foi criada no final de 2010 entre a empresa espanhola (que ostenta 60% das participações) e a petrolífera chinesa (40%) para colaborar em projetos de prospecção e produção no Brasil.

Fonte: Revista Exame

 

REDES SOCIAIS_