[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Acordo comercial EUA-China e o mercado de petróleo

Após mais de um ano de tensões comerciais, os EUA e a China assinaram (16/01) uma “primeira fase” de um acordo comercial segundo o qual a China concordou em aumentar o valor das importações de energia em US $ 52,4 bilhões acima dos níveis de 2017 nos próximos dois anos.

Uma análise da Wood Mackenzie pondera que o acordo é benéfico para a economia global em geral, mas terá impacto limitado no mercado global de petróleo e no mercado de refino regional asiático. Maiores compras de petróleo dos EUA serão o principal método para a China cumprir este acordo, mas um aumento de US $ 52,4 bilhões nas importações de energia dos EUA ao longo de dois anos será desafiador.

>Em 2017, a China importou cerca de 300.000 barris por dia (b/d) de petróleo dos EUA, avaliados em cerca de US $ 5,8 bilhões. Em um mercado de livre comércio, um volume ideal de importações de petróleo dos EUA para a China é de cerca de 400.000 b / d em 2021. Apesar do crescimento contínuo das exportações de petróleo dos EUA, o apetite da China por petróleo é limitado, dado que suas refinarias de conversão são projetadas para processar petróleo médio/pesado do Oriente Médio e da América Latina. Com o novo acordo comercial, estimativas sugerem que a China precisaria importar em média 1,1 milhão de b/d de petróleo dos EUA nos próximos dois anos; a China seria capaz de absorver esses volumes, mas isso representaria apenas 11% do total de importações de petróleo.

É improvável que os preços do petróleo nos EUA sejam afetados pelo acordo porque eles já incluem o custo do transporte para outros países asiáticos. Mas o acordo representa um desafio para os produtores da Opep, como a Arábia Saudita, que pretendem manter participação nos crescentes mercados de petróleo da Ásia – especialmente a China. Atualmente, a China impõe uma tarifa de 5% sobre as importações de petróleo dos EUA e não indicou mudanças; se permanecer como está, a tarifa pode atingir as margens de refino.

O American Petroleum Institute emitiu uma declaração sobre esse acordo: ” A primeira fase do acordo comercial entre os EUA e a China é um passo positivo, criando maior certeza na economia americana. Embora os EUA liderem o mundo no desenvolvimento de energia, as guerras comerciais interrompem as cadeias globais de fornecimento e criam novas barreiras às exportações dos EUA. A diminuição das tensões comerciais é uma notícia bem-vinda para uma ampla gama de indústrias, mas há muito trabalho a ser feito. Incentivamos o governo a permanecer na mesa de negociações até que o mercado EUA-China para o comércio de energia seja totalmente restaurado e todas as tarifas remanescentes sejam levantadas – incluindo tarifas dos EUA sobre importações de componentes industriais usados em nossa indústria e tarifas de retaliação chinesas sobre as exportações de energia dos EUA.”

REDES SOCIAIS_