[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Inovação fica estagnada no Brasil em 2015

O número de patentes depositadas no Brasil em 2015 permaneceu estável em relação a 2014, segundo o Instituto Nacional da Propriedade Intelectual (INPI). Foram 33.043 pedidos no ano passado e 33.182 em 2014. Para Júlio César Moreira, diretor de patentes do INPI, o resultado reflete a instabilidade do país.

“A inovação é um investimento de risco e quando você tem um cenário indefinido, ela tem uma diminuição direta”, disse ele. Dos registros feitos em 2015, quase um terço (10.303) veio de empresas dos Estados Unidos. Os brasileiros depositaram 7.344 patentes. Pessoas físicas fizeram 55% dos depósitos totais de patentes.

Para o advogado Otto Licks, o número de depósitos no país é muito baixo em relação ao resto do mundo. Na China, são um milhão de pedidos por ano. Nos Estados Unidos, foram quase 300 mil em 2015.

Um dos problemas no Brasil, diz ele, é a demora na avaliação dos pedidos, o que desestimula estrangeiros e faz com que brasileiros procurem outros países. “A média fica entre quatro e cinco anos, mas tem empresa com processos há 15 anos. No mundo, isso acontece entre dois e três anos”, disse.

(Valor Econômico)

Fonte: ANPEI

REDES SOCIAIS_