[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
Lançamento em breve do livro "Catalisando a Economia Circular"!
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

CEPSA expande produção no Brasil

A Companhia Espanhola de Petróleo, S.A.U. (CEPSA; Spanish Petroleum Company) finalizou a reforma da fábrica de produtos químicos Deten química, localizada no Polo Industrial de Camaçari, Bahia, depois de um investimento de 64 milhões de euros para aumentar a sua capacidade de produção de LAB (alquilbenzeno linear) para 260.000 toneladas anuais. Essa matéria prima é essencial, por exemplo, para a produção de detergentes biodegradáveis, produto que está em crescente demanda, segundo a empresa.

O investimento, segundo a CEPSA, permitiu a compra de 65 equipamentos novos, a construção de uma nova subestação elétrica e a inclusão de novas tecnologias que melhoraram tanto a capacidade quanto a eficiência energética da planta, de maneira a consumir menos gás natural e eletricidade.

A CEPSA é responsável por 72% das ações da Deten, enquanto que a Petrobras é detentora dos outros 28%.
A reforma, segundo o diretor da CEPSA, José Manuel Martínez, vai possibilitar que a Deten atenda a uma demanda crescente no mercado sul-americano, inclusive no Brasil. Com a finalização do projeto, a CEPSA reafirma a sua posição de líder internacional na produção do alquilbenzeno linear.

A CEPSA possui plantas especializadas em LAB em Espanha, Canadá e Brasil, cuja produção total representa 15% da oferta mundial. A produção de LAB por parte da companhia representa 55% da oferta desse produto nos países latino americanos.

 

Fonte: MaxiQuim

REDES SOCIAIS_