[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

USP produz plástico 100% biodegradável

Pesquisadores da USP conseguiram fabricar, a partir de descartes agroindustriais, plásticos 100% biodegradáveis usando como fonte de matéria prima amido obtido de resíduos de babaçu, cúrcuma e urucum. Filmes plásticos foram produzidos nos laboratórios do Departamento de Química da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP).

 

 

Além de ser biodegradável, esse plástico não utiliza recursos não-renováveis – como é o caso dos plásticos convencionais, produzidos a partir de derivados do petróleo. Além disso, contêm compostos antioxidantes, o que pode contribuir para o desenvolvimento de embalagens ativas.

 

 

O próximo passo é conseguir produzir um plástico 100% biodegradável competitivo com o plástico comum. A química Bianca Chieregato Maniglia, uma das responsáveis pelo desenvolvimento de filmes plásticos biodegradáveis, acredita que ainda sejam necessários mais pesquisa e testes para que esses plásticos cheguem ao mercado. É necessário ainda aprimorar a resistência mecânica e conseguir uma menor capacidade de absorção e retenção de água, segundo ela.

 

 

O conceito ecológico do novo material é expresso no seu tempo de decomposição: no máximo 120 dias, ao passo que um plástico comum pode levar até 500 anos na natureza para desaparecer. Por ser produzido a partir de material biológico, o plástico biodegradável é atacado na natureza por organismos, como bactérias, fungos e algas, sendo então transformado em água, CO2 e matéria orgânica.

 

 

Atualmente, são comercializados outros tipos de plásticos biodegradáveis, fabricados a partir de milho e mandioca. No entanto, essas fontes renováveis não atuam como matéria-prima direta do plástico, servindo de insumo para a produção de ácido láctico, do qual o polímero – ácido polilático (PLA) – é sintetizado. Dessa forma, o material apresenta uma estrutura mais complexa, apresentando assim uma biodegradabilidade menor, podendo ser decomposto apenas em usinas de compostagens. Além de caros, os plásticos produzidos por fontes biodegradáveis atualmente comercializados possuem limitações com relação a algumas propriedades mecânicas quando comparados aos plásticos comuns.

 

 

O plástico 100% biodegradável pode apresentar custos de produção bem menores que os atuais, uma vez que é produzido a partir de resíduos agroindustriais. Em uma perspectiva global, ao serem incluídos custos indiretos como geração de lixo, poluição e outros impactos ambientais, segundo a universidade, os biodegradáveis provavelmente assumirão posições economicamente mais favoráveis.

 

Fonte: Maxiquim

REDES SOCIAIS_