[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
Agricultura Regenerativa: uma perspectiva de modelo de negócio circular
DIRETO DO BLOG
Lançamento em breve do livro "Catalisando a Economia Circular"!
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

EPS: Busca da sustentabilidade nas construções brasileiras

Novas casas e prédios vêm sendo construídos e têm ampliado significativamente o mercado de construção civil no Brasil nos últimos anos, porém todo esse crescimento é acompanhado de pouco ou mesmo nenhum isolamento térmico incluso nas paredes.

De acordo com o Green Building Council, uma das ONGs americanas certificadoras de edificações sustentáveis, o Brasil ocupa a quarta posição no ranking mundial de construções sustentáveis, atrás dos Estados Unidos, China e Emirados Árabes. Diante deste contexto, o país seguiria uma tendência mundial de desenvolvimento tecnológico em busca de produtos que tenham foco em sustentabilidade, agregando a eles melhor custo-benefício, eficiência térmica/energética e reciclabilidade.

No entanto, diferentemente de outros países, não há uma obrigatoriedade de isolamento térmico ou acústico nas construções no Brasil. E a batalha dos representantes da indústria de plásticos para se obter uma lei que imponha o uso de PS expansível, a matéria-prima para o poliestireno expandido (EPS), em novas construções tem sido difícil, apesar da economia de energia e de construção que o EPS oferece.

Segundo Miguel Bahiense, o presidente da Plastivida – Instituto Sócio Ambiental dos Plásticos, quando se fala sobre a construção civil em um país em desenvolvimento como o Brasil, o governo deveria ter um papel em conjunto com a indústria para oferecer esses tipos de avanço para as pessoas. Além disso, ele afirma que o EPS já está em condições de atender à crescente demanda no Brasil e que se pode observar claramente o impacto significativo da economia obtida em projetos de construção que utilizaram o EPS.

Do ponto de vista mais técnico, a economia de energia obtida pela utilização de EPS nas construções pode chegar a 30%. O EPS se apresenta como um material leve, de boa absorção aos choques, resistente à compressão e à absorção de água, além do fácil manuseio e de permitir uma redução nos custos do projeto entre 6 e 8%, assim como redução em aproximadamente 20% do tempo previsto da construção.

O consumo de EPS no Brasil cresceu constantemente na última década, chegando às 100000 toneladas em 2013. A demanda pelo EPS também mudou drasticamente no mercado brasileiro avançando na construção civil de 36% em 2011 para 56% em 2012, superando o mercado de embalagens.

No Brasil, o consumo per capita de EPS é em torno de 0,49kg. Já no Chile, por exemplo, país com legislação que impõe a obrigatoriedade de isolamento em construções, o consumo per capita foi de 1,21kg de EPS, de acordo com dados dos maiores fabricantes de EPS no mundo. E na Alemanha, o consumo seria de 3,70 kg por habitante. Assim, evidencia-se que o Brasil tem espaço para avançar nesse segmento.

Fonte: MaxiQuim

REDES SOCIAIS_