[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Construção de planta de catalisadores da Honeywell na China pode indicar um novo rumo para o mercado de resinas

A Honeywell Internacional está construindo uma nova planta na China que permitirá à companhia manufaturar completamente catalisadores para o processo que transforma metanol em olefinas (MTO). A produção deve começar em 2017 e os catalisadores serão usados no processo realizado também por uma das empresas do grupo que transforma o metanol do carvão em olefinas.

A crescente demanda na China, país rico em reservas de carvão, por polímeros que são fabricados pelo MTO incentivou a operação da Honeywell em fabricar o catalisador que é considerado o coração do processo.

Cada vez mais os chineses buscam novos métodos para reduzirem sua dependência do mercado externo. Enquanto o mercado de eteno e propeno cresce de 4 a 5% ao ano, a China pretende investir mais de 100 bilhões de dólares em tecnologias que transformem carvão em intermediários químicos.

Com o estabelecimento de novas fontes de matéria prima o mercado de plásticos pode sofrer mudanças nos próximos anos já que atualmente a China é um dos principais consumidores global de tais insumos.

Fonte: MaxiQuim

REDES SOCIAIS_