[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
Lançamento em breve do livro "Catalisando a Economia Circular"!
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Rhodia ajuda o Brasil a compensar impactos ambientais gerados pela Copa do Mundo

Pela campanha “Copa Sustentável”, feita pelo governo brasileiro para reduzir os impactos ambientais causados pela Copa do Mundo de 2014, a Rhodia, companhia química do grupo Solvay, doou 100.000 certificados de créditos de carbono, também chamados de créditos de redução certificada de emissão (RCE).

Nessa iniciativa, as emissões de gás carbônico devidas à organização do evento, como a construção e reforma de estádios, os transportes do público e dos jogadores, a utilização de energia e a disposição de resíduos sólidos gerados nos locais dos jogos, e que não puderem ser reduzidas, poderão ser compensadas pela doação de créditos de carbono. Isso respeita as regras estabelecidas pelo Protocolo de Kyoto e foi espelhada na estratégia adotada pela Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), em junho de 2012.

A compensação das emissões diretas relativas à hospedagem, à construção e à mobilidade nessa Copa do Mundo, estimadas em 60.000 toneladas de CO2, será permitida com essa doação da Rhodia. O restante dos créditos de carbono será incorporado à base de créditos do governo para entrar na conta da compensação das emissões indiretas, que são as geradas pelo transporte aéreo e outras não relacionadas a roteiros definidos dentro das cidade-sede da Copa do Mundo. A estimativa é de uma emissão total, somando emissões diretas e indiretas, de 1,4 milhão de toneladas de CO2.

A Rhodia possui certificados obtidos com a operação de diversas unidades industriais de abatimento de gás de efeito estufa mantidas pelo grupo Solvay em diferentes partes do mundo, no escopo do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo do Protocolo de Kyoto. No Brasil, inclusive, a Rhodia foi pioneira na instalação de unidade de abatimento de gás de efeito estufa, que funciona desde 2007 em seu conjunto industrial de Paulínia (SP).

Segundo Sérgio D’Amore, diretor da Solvay Energy Services na América Latina, fazer parte dessa iniciativa foi uma decisão perfeitamente natural para a empresa pois a Rhodia e o grupo Solvay sempre teriam sido fortemente engajados em práticas de sustentabilidade. Existem vários outros programas desenvolvidos voltados para a sustentabilidade, como “Cuidados com o Clima” (Climate Care), incluindo os projetos de abatimento de gás de efeito estufa em diferentes unidades do grupo no mundo. D’Amore destaca ainda que esse programa do governo brasileiro de compensação das emissões de CO2 estão relacionadas a um evento de importância internacional, que é a Copa do Mundo de Futebol no Brasil, país no qual a Rhodia já atua há 95 anos.

Fonte: MaxiQuim

REDES SOCIAIS_