[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
Lançamento em breve do livro "Catalisando a Economia Circular"!
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Phillips 66 anuncia novo foco na indústria química e gasodutos

A multinacional americana de energia Phillips 66 acredita que deve voltar seus investimentos ao setor químico e também aos gasodutos, de acordo com um pronunciamento dos executivos da empresa na última quarta-feira (03/05). Assim, companhia deve recuar seus investimentos em gasolina e focar onde diz acreditar que estão as maiores oportunidades e maior geração de valor. Ainda segundo a diretoria, o Oriente Médio e a costa do golfo dos Estados Unidos devem ser os locais mais promissores no setor petroquímico para se investir a longo prazo.

 

A Phillips enxerga a gasolina como um mercado em declínio, com as novas gerações americanas dirigindo menos, optando por alternativas sustentáveis ou simplesmente adotando carros mais econômicos; um movimento compensado pelo crescimento da demanda nos países em desenvolvimento, mas que faz a empresa buscar expandir em outros mercados. A diretoria vê um futuro promissor graças ao gás de xisto americano, que deve gerar matéria-prima barata para diversos derivados petroquímicos.

 

O deslocamento para o setor de gás natural já vem sendo realizado pela empresa. No final de 2015 a Phillips inaugurou no Texas um complexo para separar os componentes do gás natural e também uma unidade para produção de etileno.

 

Fonte: Maxiquim

REDES SOCIAIS_