[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
Lançamento em breve do livro "Catalisando a Economia Circular"!
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

“No setor de etanol, quem fizer o dever de casa vai superar a crise”, diz presidente da Unem

A queda nos preços do petróleo e a forte redução de 50% da demanda de etanol por causa do isolamento social têm causado muitos prejuízos ao setor sucroenergético. Mesmo com o cenário de crise, o presidente da União Nacional do Etanol de Milho (Unem), Guilherme Nolasco, aposta na maior eficiência do biocombustível a partir do cereal e no planejamento do setor para superar esse momento turbulento.

Em entrevista ao programa Direto ao Ponto deste domingo (10), ele contou como o setor está atuando para enfrentar a crise. Apesar do otimismo, também reforçou a importância de o governo ajudar a cadeia produtiva a minimizar perdas.

“A diminuição na demanda e redução da competitividade do etanol nos acendeu a luz no momento de atenção de refazer o dever de casa, diminuir custos aumentar a produtividade esperando esse momento difícil acabar”, disse.

O presidente da Unem citou vantagens do milho nessa equação, como a produtividade. Segundo ele, uma tonelada do grão está rendendo entre 420 e 430 litros de etanol, enquanto a produtividade da cana-de-açúcar é, em média, de 90 litros por tonelada. Nolasco ainda lembra os múltiplos uso do milho como o DDG – sigla em inglês para grão seco de destilaria, um subproduto do processamento do cereal –, por exemplo, rende uma receita extra para o setor.

“Temos usinas que têm uma musculatura para atravessar este momento, sobretudo aquelas de produção e dedicação exclusiva ao etanol de milho. Então, acreditamos que, realmente, quem fizer o dever de casa vai sair lá na frente”, disse.

Outro diferencial do milho, conforme o dirigente da Unem, são as vendas antecipadas do grão. Mato Grosso, no período da segunda safra em 2019, já tinha 42% do total negociados e, no mesmo período deste ano, já registra vendas acima de 65% do total, apontou.

Guilherme Nolasco ainda disse que, na região Centro-Sul, a queda da demanda pelo etanol está sendo compensada em parte com o abastecimento do arco Norte e Nordeste. “Uma região que naturalmente vinha sendo abastecida pelo etanol importado”.

Sobre as perspectivas de melhoria para o mercado de etanol, o presidente da Unem adiantou que ainda é muito cedo para fazer uma análise concreta sobre a retomada de consumo do combustível, mas acredita em uma normalização a partir do segundo semestre. “A gente espera que até agosto, setembro, o setor volte à normalidade”, afirmou.

Dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP) e do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) revelam que o percentual do etanol de milho chegou a 4% de toda a produção do biocombustível em 2019. Em 2015, a proporção era de 0,4%. A Unem aponta uma projeção de crescimento de 20% em oito anos.

Socorro ao setor
Embora existam perspectivas mais otimistas por parte da Unem, Nolasco enfatiza a importância do anúncio de medidas pontuais para socorrer o setor sucroenergético nessa crise. Ele ainda acredita que são viáveis a isenção do PIS/Cofins sobre o etanol, o lançamento da linha de crédito para estocagem e até o aumento da Cide sobre a gasolina para dar competitividade ao biocombustível.

Na última quinta-feira (7), porém, o presidente Jair Bolsonaro descartou a medida. “Não acho justo agora aumentar a Cide para salvar o setor. Estamos em um momento de perda de empregos, redução de salários. Minha política é de não aumentar imposto”, disse Bolsonaro.

Bruno Amorim e Laila Muniz

REDES SOCIAIS_