[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
Lançamento em breve do livro "Catalisando a Economia Circular"!
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Mega complexo de PE nos EUA é anunciado pela Shell

A Shell decidiu investir em uma grande planta petroquímica em Pittsburgh, nos Estados Unidos. Com início das obras previstas para o fim de 2017, a planta quando pronta deve ter capacidade anual de 1,5 milhões de toneladas de polietileno.

É o primeiro projeto petroquímico no EUA construído fora da linha Texas- Louisiana em décadas e focará suas atividades nas reservas de gás natural da região de Appalachia que vem se desenvolvendo nos últimos anos e criará uma cadeia de suprimentos mais próxima e coesa. A planta será localizada próximo a Monaca às Margens do Rio Ohio, cerca de 30km de Pittsburgh, e gerará cerca de 6000 empregos para ser construída, e tem previsão de gerar 600 empregos permanentes após o término das obras.

O projeto vem sendo estudado pela Shell desde 2012, mas a necessidade de obras de adaptação e infraestrutura fizeram a empresa atrasar um pouco seus planos. Apesar de várias empresas esboçarem interesse na região, o projeto da Shell é o único que vem avançando na localidade. Nos últimos anos, a maioria das plantas de PE e etileno tem sido construídas na região da costa do golfo.

A nova planta atenderá o mercado de transformadores do meio oeste do país e será bastante competitivo quando pronto, em termos de frete e consequentemente de preço, segundo informações da IHS. Além disso, menos competição é encontrada na região em respeito a contratação de funcionários como soldadores e outros pela ausência de outras empresas de grande porte.

Acredita-se que a decisão final da Shell aconteceu logo após a desistência da Braskem em não começar um projeto similar na West Virginia o que garantiu maior mercado.

Fonte: MaxiQuim

REDES SOCIAIS_