[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
Agricultura Regenerativa: uma perspectiva de modelo de negócio circular
DIRETO DO BLOG
Lançamento em breve do livro "Catalisando a Economia Circular"!
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

GranBio e Rhodia criam joint venture em químicos de 2ª geração

A GranBio, holding da família Gradin, e a Rhodia, pertencente ao grupo Solvay, constituíram oficialmente uma nova empresa, batizada de SGBio Renováveis, com participação de 50% para cada uma. O negócio, anunciado até então como uma parceria, tem foco na pesquisa e na produção de químicos a partir da celulose contida na biomassa da cana-de-açúcar.

As duas companhias atuam em parceria desde agosto de 2013 no desenvolvimento de tecnologias para produção de bioquímicos, em especial o bio n-butanol, a partir de biomassa da cana-de-açúcar e da variedade de cana energia (com maior teor de celulose). Previam também colocar em operação já em 2015 a primeira fábrica de bio n-butanol.

Os planos, no entanto, mudaram. A decisão dos sócios foi investir mais em pesquisa de pré-tratamento e fermentação da biomassa da cana em 2014, e, em 2015, construir uma planta piloto para testar essas tecnologias. A data de construção de uma fábrica de escala comercial vai ser definida com base nos resultados da planta piloto.

A SGBio Renováveis foi constituída oficialmente em 30 de outubro deste ano, e a informação foi publicada somente hoje pela empresa no Diário Empresarial de São Paulo.

REDES SOCIAIS_