[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Complexo PQS inicia produção de resina PET

O complexo PQS, formado pela Petroquímica Suape e a Companhia Integrada Têxtil de Pernambuco (Citepe), iniciou na segunda feira dia 4 de agosto, a produção de resinas em uma de suas unidades operacionais. As empresas fazem parte do Sistema Petrobras (100%) e representam um importante polo de produção de poliéster da América do Sul, no Complexo Industrial Portuário de Suape, em Pernambuco.

A unidade Petroquímica já produz, desde o ano passado, o ácido tereftálico purificado (PTA), que é a principal matéria prima para a cadeia do poliéster, inclusive com a ampliação da capacidade produtiva de filamentos de poliéster, principal insumo para a indústria têxtil do mundo, agora o setor de embalagens brasileiro será contemplado com a oferta de resina PET.

A unidade de PET terá duas linhas de produção, a que entrou em operação, com 225 mil toneladas por ano, e a que está prevista para o primeiro semestre de 2015. Já com a primeira linha do produto, o Complexo PQS faz com que o Brasil se torne autossuficiente e exportador da resina, suportando o crescimento do mercado de embalagens PET, além de possibilitar a criação de novos investimentos em diferentes setores onde a utilização desse produto ainda é incipiente.

Quando estiver em plena operação, no próximo ano, o Complexo PQS produzirá 450 mil toneladas ano de resina PET. A maior parte das vendas do produto terá como foco o mercado nacional, e cerca de 20% da primeira linha de produção será destinada à exportação para a América do Sul, Caribe e Estados Unidos.

A resina PET é um polímero mundialmente popular, que se tornou o melhor e mais resistente plástico para fabricação de garrafas e embalagens para refrigerantes, águas, medicamentos, cosméticos, produtos de higiene e limpeza, entre outros itens.

Fonte: MaxiQuim

REDES SOCIAIS_