[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Invista lança LYCRA parcialmente derivada de fontes renováveis

A Invista é uma das maiores produtoras integradas de polímeros e fibras do mundo, especialmente para aplicações de nylon, spandex e poliéster e é detentora da marca LYCRA. Neste mês a empresa disponibilizou sua nova LYCRA spandex, parcialmente derivada de fontes renováveis, disponível para uso em uma ampla variedade de tecidos e artigos de vestuário.

Cerca de 70% em peso da nova LYCRA spandex é derivada de fonte renovável, produzido da dextrose do milho. Assim, a nova spandex reduz as emissões de CO2 em comparação com a spandex produzida com as matérias-primas tradicionais. A sustentabilidade está se tornando um tema cada vez mais importante na cadeia têxtil.

A nova fibra segue os altos padrões e especificações da Invista, a empresa não prevê a necessidade de reengenharia de tecidos e modificações nos processos de acabamento ou padrões de vestuário. A produção comercial está prevista para iniciar entre as coleções outono/inverno de 2015 e primavera/verão 2016. Invista planeja produzir entre 300 a 400 toneladas de fibras derivadas de fontes renováveis por ano.

A empresa possui seu próprio programa de sustentabilidade, focada em três objetivos principais; a minimização do impacto ambiental da empresa através da conservação de recursos, a redução de emissões e a eliminação de resíduos em suas fábricas.

O spandex é um dos maiores potenciais de mercado do bioBDO (1,4 butanodiol), que é utilizado atualmente para produzir PTMEG (politetrametileno éter glicol), a principal matéria-prima na produção de spandex, também conhecido como elastano. Dos intermediários químicos utilizados para a produção do elastano, provavelmente o bioBDO é o intermediário químico renovável utilizado no novo fio LYCRA. O bioBDO já é produzido pela BASF, que utiliza a tecnologia Genomatica, bem como pela fábrica da DuPont Tate & Lyle em Tennessee, para a Genomatica.

O Spandex, como é chamado nos EUA e Austrália, é conhecido como elastano no Brasil, na Europa e em outras partes do mundo. Foi inventado em 1959 por Joseph Shivers, da DuPont. É um tecido sintético, com um polímero de base, que possui propriedades únicas que o tornam bem adequado para certas aplicações, como vestuário desportivo. É capaz de se expandir e voltar à forma sem perder sua integridade, embora, ao longo do tempo, as fibras possam se desgastar. A marca LYCRA é um valioso ativo da Invista. É registrada em todo o mundo como uma marca de uma ampla variedade de artigos e serviços, como fios e tecidos especiais com elasticidade, artigos de vestuário e cosméticos. O fio LYCRA é um fio sintético de spandex.

Invista não é a única empresa que já desenvolveu o spandex derivado de fontes renováveis. Em 2011, RadiciSpandex, uma subsidiária do grupo italiano Radici Group, introduziu suas fibras de elastano parcialmente derivadas de fontes renováveis, utilizando um biopolímero derivado do milho, sob a marca RadElast spandex. No entanto, parece que o produto saiu do portfólio Radici Group.

Fonte: MaxiQuim

REDES SOCIAIS_