[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Câmbio deve evitar déficit comercial, diz Ramalho

O “cambio amigável” acima de R$ 3 por dólar e importações sem crescimento deverão levar o Brasil a reverter este ano o resultado da balança comercial e não registrar déficit como no ano passado.
A expectativa é do secretário¬-executivo do Ministério da Industria, Comércio e Desenvolvimento (Mdic), Ivan Ramalho, que acompanha o vice-¬presidente Michel Temer em missões acompanhadas de empresários a Portugal e Espanha.
No ano passado, o Brasil sofreu déficit comercial de US$ 4 bilhões. Para este ano, o Mdic não faz projeções, ainda, mas Ramalho acha que em todo caso o país não repetirá o déficit.
Ele acha que em parte haverá recuperação das exportações, tanto para os EUA, como para América do Sul e também para a África. No ano passado, o maior déficit comercial do país foi com a Nigéria, de US$ 8 bilhões, por causa da compra de petróleo. O segundo foi com a Argélia, com cerca de US$ 2 bilhões. Ele acha que é possível equilibrar melhor esse fluxo comercial. Também confia em alta das exportações para países na região que estão crescendo como Colômbia, Peru, Chile e Bolívia.
Além disso, ele confia em melhor resultado da balança comercial em parte “pelo câmbio acima de R$ 3 por dólar e importações estáveis”. Ou seja, o país que já chegou a ser campeão na expansão das importações não deve registrar aumento de compras externas, num cenário recessivo e de dólar mais caro. Em Portugal e na Espanha, a delegação brasileira tenta estimular negócios. Em Portugal, foi anunciado um “observatório de comércio e desenvolvimento” para avaliar oportunidades, resolver problemas e evitar que a burocracia seja um empecilho ao aumento dos fluxos comerciais.

Autor: Assis Moreira
Fonte: Valor Econômico
Retirado de: Brazil Pharma Solutions

REDES SOCIAIS_