[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]
DIRETO DO BLOG
Lançamento em breve do livro "Catalisando a Economia Circular"!
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular no Cenário do COVID-19
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Chemical Leasing,
um olhar na Química Verde e na Sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

DIRETO DO BLOG
O Setor de Borracha na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Políticas públicas voltadas para Economia Circular:
Um olhar sobre as experiências na Europa e na China
DIRETO DO BLOG
Iniciativas de Economia Circular na Indústria do Aço
DIRETO DO BLOG
Potencial do Biogás no Gerenciamento de Resíduos
e Sua Inserção na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Cadeias Produtivas e Governança
no Contexto da Economia Circular
DIRETO DO BLOG
Uma Visão dos Modelos de Negócios Circulares
DIRETO DO BLOG
Princípios, perspectivas e aplicação
do Chemical Leasing nos processos
de produção visando a sustentabilidade
DIRETO DO BLOG
A Economia Circular Além dos Horizontes
DIRETO DO BLOG
Logística Reversa na Economia Circular
DIRETO DO BLOG
A Simbiose Industrial além das fronteiras
previous arrow
next arrow
Slider

Açúcar branco atinge preço mais vantajoso da história para usinas brasileiras

Os produtores brasileiros podem ser incentivados a maximizar a produção de açúcar refinado na safra 2020/21. O prêmio do açúcar branco chegou a ser negociado a R$ 702,33/t, o mais alto nível histórico para a moeda brasileira.

O movimento de alta teve início em 14 de fevereiro, quando o prêmio pago pelo açúcar refinado brasileiro no mercado de exportação fechou em R$ 322,70/t. Desde então, este valor subiu 117,64%.

No período, o prêmio do açúcar branco sobre o açúcar bruto – negociado em dólares por meio de contratos futuros em Nova York – aumentou cerca de 60%, de US$ 75,18/t para US$ 120,26/t, na última quinta-feira (7).

Ainda que se trate de um aumento considerável, ele não foi tão relevante para os produtores brasileiros, maiores exportadores mundiais de açúcar.

O principal fator sobre os preços, então, foi a forte depreciação do real em relação ao dólar. Na quinta-feira, o câmbio da moeda brasileira ante o dólar atingiu o valor mais alto da história, com R$ 5,84. Na prática, esta relação funciona como um apoio aos exportadores de açúcar brasileiros.

Confira a matéria completa em novacana.com

REDES SOCIAIS_